As 5 fases do luto: compreenda

As 5 fases do luto: compreenda

Viver um luto pode ser uma das tarefas mais desafiadoras da vida.

Perder um ente querido, findar um relacionamento de anos e romper o vínculo de um trabalho de uma vida inteira são exemplos de lutos que possamos passar em nossa jornada.  

Conseguir lidar com a ausência de uma pessoa, um amor ou um trabalho não é nada simples, e requer uma estrutura emocional sólida, para saber conviver com essa dor e, até mesmo, superá-la.

Especialistas no assunto, psicólogos e demais profissionais da mente humana afirmam que são 5 as fases que um ser humano passa, após a perda de algo ou alguém.

As etapas que refletem o início até a superação de um luto englobam negação e isolamento”, “raiva”, “barganha”, “depressão e aceitação.

Normalmente, tendem a ocorrer nesta ordem, mas também é comum visualizá-las ocorrendo em uma ordem distinta, paralelamente, ou de forma recorrente entre a passagem de uma fase para outra.

Neste artigo, vamos compreender cada uma das cinco fases do luto, de forma a poder auxiliar você ou algum outro indivíduo que possa estar passando por elas.

As 5 fases do luto

Primeira fase: Negação e Isolamento

Sem dúvidas, entre as cinco fases do luto, essa é a mais dolorida.

Nesse início de processo do luto, a pessoa não aceita a perda, e se envolve em pensamentos de negação, refletindo que o fato não poderia ter acontecido com ela ou com o ente próximo.

Nessa fase, também, o indivíduo enlutado tende a buscar explicações e convencer a si mesmo do porque dos fatos terem ocorrido. Frente isso, é comum buscar isolamento, para processar o que aconteceu e todos os pensamentos que cercam o fato.

É importante que as pessoas que convivem com o individuo enlutado respeitem esse momento de isolamento, na certeza de que, tão logo a pessoa estiver preparada e em conformidade com seus pensamentos, voltará ao convívio social e poderá, inclusive, falar a respeito.

Nesse retorno, se faz necessário escutar e compreender a pessoa, sempre com muita compaixão, consideração e entendimento.

Segunda fase: Raiva

A segunda fase do luto ocorre como uma explosão necessária.

As pessoas que estão ao redor do indivíduo enlutado podem até se indignar com a raiva exalada, porém em nada tem a ver com elas.

A raiva vem com o sentimento de impotência, de questionamento das razões de ter acontecido o fato com a pessoa enlutada, das indagações sobre planos não cumpridos, renúncias, e outras lembranças passadas ou futuras com o ente que partiu.

Dessa forma, é natural que o indivíduo fique revoltado, ressentido e com sentimento de culpa, deixando-o ser tomado intensamente por esses sentimentos.

É muito importante que as pessoas próximas compreendam esse estágio, e se mantenham compreensivas com o ente enlutado, auxiliando-o e não o confrontando, o que poderia piorar o quadro em que se encontra.

Terceira fase: Barganha

No estágio da barganha, a pessoa busca restabelecer a vida e a paz que possuía antes da perda.

Para isso, o indivíduo tenta negociar consigo mesmo ou com outras pessoas, procurando alternativas para amenizar a dor que sente.

Em lutos por entes perdidos, questionamentos e acordos são comuns nessa fase, onde a pessoa pensa e repensa no fato ocorrido, buscando possíveis intervenções, mesmo que agora sejam inúteis, e reflete na troca de quem deveria ter partido, pensado que quem deveria ter ido era ela própria.

Em rompimentos de relações de trabalho ou amorosas, essa fase pode ocorrer na busca por uma reconexão com aquilo ou aquele que já não está mais presente.

Quarta fase: Depressão

Na fase de depressão, predomina o sentimento de tristeza, provinda da consciência da realidade de que a perda de fato ocorreu, e que não há como fugir.

Esta queda emocional vem logo após as fases mais resistentes do luto, tratadas anteriormente. 

No quarto estágio, a pessoa vive, de fato, o luto, não tentando mais o combater. Dessa forma, a tristeza tende a ser mais intensa.

Quinta fase: Aceitação

A última fase do luto, aceitação, é a fase mais madura de todos os estágios que o indivíduo passa.

Esse momento ocorre quando a pessoa consegue superar as demais fases, e passa a aceitar o luto, convivendo de forma mais branda frente a perda.

A pessoa começa a vivenciar o luto de maneira mais tranquila, e, mesmo sentindo a dor da perda, se mostra disposta a conviver com a falta do ente perdido.

Após o luto, o amadurecimento

A saudade sempre estará presente em um coração que perdeu alguma pessoa querida e amada.

É impossível não sentir dor, revolta e tristeza frente a morte ou o rompimento de alguma relação.

Compreenda que qualquer um de nós poderá passar por todas as fases de luto, e que elas são importantes e necessárias para a reestruturação das nossas emoções e atitudes.

Acredite, somos capazes de superar a dor da perda, por mais dolorida que esta seja. Com o passar do tempo, passamos a lidar melhor com nossos sentimentos, e, consequentemente, a ver novamente as coisas belas da vida, na certeza de que tudo tem um motivo de força maior.

Se você passa por uma fase de luto, deixe seu corpo e sua mente se expressarem. Você se tornará uma pessoa mais sábia e mais forte, e a perda que o aflige o trará grandes ensinamentos. 

No final, você será uma pessoa melhor, na certeza que seu ente querido estará eternamente ao seu lado.