Como lidar com a morte?

Como lidar com a morte?

A morte é um assunto que a maioria das pessoas tende a evitar.

Ninguém quer imaginar uma situação de dor, sofrimento e saudade. Mas, a verdade é que esse assunto deveria ser mais abordado entre as famílias, de forma a prepará-las para os momentos de perda.

Há algumas pessoas que tem em sua fé e suas crenças o conforto e amparo para os momentos de perda.

Mas a grande maioria ainda entra em choque com situações de morte, sejam elas previsíveis ou acidentais.

Já abordamos no artigo “Palavras de conforto” algumas dicas para suportar a dor da perda de entes queridos, assim como já conversamos sobre o receio natural que todos temos sobre a morte no post “Medo da morte: como superar”.

Mesmo assim, ainda fica a pergunta, realmente sabemos lidar com a morte? Temos como superar o ciclo final da vida?

Questionamentos complexos que podem surgir em uma determinada fase da nossa vida, e que iremos discutir a seguir.

Mortes previsíveis e imprevisíveis

Nenhuma perda é fácil de ser enfrentada.

Porém, é certo que algumas delas já são esperadas, enquanto outras, nos pegam totalmente desprevenidos.

Quando possuímos algum ente querido adoecido, e já estamos cientes de sua fase final de vida, a tendência é que, à medida que ele não apresenta melhoras, nós já iremos aceitando a morte e suportando a dor da possível perda dele.

Nesses casos, lidar com a morte de um familiar ou amigo pode ser um pouco menos árdua, uma vez que não queremos mais o ver sofrer, e já nos conscientizamos de que a morte é inevitável e o descanso é a melhor cura para ele.

Porém, há muitos casos em que a morte é imprevisível. E esta sim, tende a ser ainda mais difícil de ser superada.

Em questão de minutos, horas ou dias, podemos perder, acidentalmente ou de forma violenta, um ente próximo, e ter que lidar com a dor da morte de uma forma totalmente inesperada.

A dor da perda, nesses casos, pode ser mais profunda, e o luto pode ser difícil de ser superado, compreendido e aceito.

As fases do luto

Qualquer que seja a forma que um ente tenha partido, é inevitável que passemos por um processo natural de adaptação à perda.

Para o nosso próprio bem e cura, nosso corpo e mente vivenciam 5 fases de superação, que incluem:

– negação e isolamento;

– raiva;

– barganha;

– depressão;

– aceitação.

Todas essas fases já foram abordadas de forma detalhada no artigo “As 5 fases do luto: compreenda”, e são necessárias, para que possamos, após períodos de tristeza, revolta e dor, conviver com a ausência de um ente querido.

O início do luto é dolorido, inaceitável, incompreensível. Mas, com o amadurecimento de nossos pensamentos, conseguimos aceitar a morte, e voltar a viver normalmente. Com saudades, sim. Sem esquecer, sim. Mas com a consciência de que a vida continua e é linda de viver.

Convivendo com a morte

Nunca será fácil não ter mais a companhia de alguém especial.

Não poder sentir mais um abraço, um beijo, o calor, a voz, os conselhos, a risada, enfim, a companhia de alguém amado, é uma carência que, infelizmente, sempre vai nos acompanhar. O contato físico faz falta, nossa natureza é carnal.

Porém, há sim como lidar com a morte, por mais dolorida que esta seja, entendo que um ente querido pode ser feliz em outro plano espiritual, aceitando que ele tem outra missão a cumprir ou, então, ocupando nossa vida com outras atividades prazerosas, conforme abordaremos abaixo.

Felicidade em outro plano

Quando perdemos alguém por causas naturais, ou seja, por doenças ou outras enfermidades inerentes à raça humana, temos que, em primeiro lugar, aceitar nossa condição de meros mortais.

Nossa estrutura não é imortal, como a nossa alma.

Devemos compreender que nosso corpo é um recipiente que assegura, durante um tempo, a existência de nossa alma no plano terrestre.

Pode ser bonito, pode ser feio, pode ser mais ou menos, e isso é encantador, porque a beleza humana está em nossa diversidade.

Mas a verdade é que, independente da forma que nossa estrutura se encontra, ela possui uma vida útil, que, em algum momento, irá cessar.

Portanto, se um ente querido adoece e morre, cabe a nos compreendermos que a carne sim, irá cessar, mas a alma será feliz em um plano divino, sem a dor e o sofrimento causados por uma doença mórbida.

Missão a cumprir

Em outros casos, pessoas que amamos são levadas de forma inesperada, como é o caso de acidentes ou violências.

A notícia da morte vem como um furacão, e pode abalar profundamente qualquer indivíduo que conviva com o ente falecido.

Nesses casos, a morte, como também pode ser o caso do falecimento por doenças, não respeita idade, podendo ocorrer com bebês, crianças, adultos ou idosos, o que pode acentuar ainda mais a dor da perda.

É difícil de lidar, mas é possível, à medida que compreendemos que a vida não cessa aqui na Terra.

O plano divino pode necessitar de um ente que amamos, pelos mesmos motivos que o necessitávamos aqui. Por ser uma alma pura, solidária, batalhadora, rica de amor, ou até mesmo, para aprender lições de amor que aqui não conseguia entender.

Então, se um ente querido partiu inesperadamente, aceite dividi-lo com sua entidade sagrada, afinal, somos somente o corpo que acolhe Ela, e devemos sim aceitar e respeitar sua decisão de partida.

Ore, medite, se exercite, ame

Ler e falar é fácil, o difícil é colocar em prática.

Muitas vezes, temos consciência que devemos aceitar a morte, mas, mesmo assim, é difícil conviver com a ausência de alguém.

Nesses casos, você deverá ocupar a sua mente com atividades prazerosas, que façam você desviar o foco da dor, e, na maioria das vezes, esquecer da saudade.

Ore sempre que puder

A oração tem poderes incríveis.

Já tentou conversar com Deus de todo o seu coração? Desabafe com ele, e milagres irão acontecer.

Deus ou qualquer outra entidade divina que você creia é o seu melhor amigo. Com ele, você pode desabafar, expor suas angústias, medos e tristezas, assim como agradecer por todas as bênçãos.

Ao final da oração, você sentirá seu coração mais aliviado, e coisas boas vão de acontecer.

Tenha tempo para meditar

A meditação é uma prática que não requer muito esforço ou tempo.

Em apenas algumas horas do dia, você pode organizar momentos relaxantes e prazerosos de meditação.

Com ela, você poderá focar mais no seu “eu”, na busca pelo equilíbrio de sua vida. É saudável, reduz o estresse e poderá reduzir, também, as suas angústias e mágoas.

Pratique exercícios

Praticar exercício é uma forma de ser mais feliz.

Isso porque se exercitar libera endorfina, substância que melhora o seu humor, gerando uma sensação de bem-estar muito importante em momentos depressivos.

Além de estar cuidando de seu corpo e de sua saúde, estará cuidando também de sua mente, que é o foco dos nossos pensamentos positivos ou negativos.

Outro benefício da prática de esportes é a interação com outras pessoas e com o meio ambiente.

Caminhadas, trilhas, ciclismo, natação, pesca e academia são alguns exemplos de esportes que podem ser desenvolvidos em grupos e que trazem um rumo saudável e feliz para sua existência.

Se ame e ame seu próximo

Se existe uma coisa para qual a vida vale a pena viver, essa coisa se chama amor.

Portanto, nunca esqueça de se respeitar e se amar em primeiro lugar. Cuide de seu corpo e de suas crenças, você recebeu o privilégio da vida, então nunca esqueça de ser bom e feliz consigo mesmo.

Ame também o seu próximo. Ame muito. Cultive boas amizades, visite seus familiares, cultive uma relação a dois.

Tenha certeza que, com o amor transbordando nos seus dias, sua vida será muito mais feliz, e você conseguirá suportar a dor de uma perda com mais força e sabedoria.

O tempo como aliado

Com o passar do tempo, as dores se acalmam, novos amores vão chegando, nossos pensamentos amadurecem, nossas ações também.

Portanto, esteja certo que as tempestades da vida sempre darão lugar a um lindo dia de Sol, e que a nossa dor é passageira, basta aceitarmos que ela faz parte da vida, e que um dia sempre irá passar.

Seja forte, a vida é feita de altos e baixos, e todos nós sabemos disso. As dores chegam, assim como as alegrias também, este é o eterno ciclo da vida. Ao final de cada oportunidade, tenha a certeza que estará mais resistente e muito mais sábio.

×